quinta-feira, 27 de março de 2014

Renan diz que é contra CPI da Petrobras, mas afirma que não há o que fazer para evitar a criação do colegiado

Senador Renan Calheiros, presidente do Senado, adia leitura de requerimento da CPI da Petrobras. Manobra pode favorecer governo
O requerimento para criar a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras não deverá ser lido em plenário nesta quinta-feira. Pelo menos não pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). O parlamentar afirmou que vai consultar os líderes para determinar o calendário. "Eu vou conversar com os líderes e ver qual é o melhor calendário para nós fazermos a leitura, conferirmos as assinaturas e pedirmos aos líderes as indicações para a comissão", disse.

Renan afirmou que é contra a instalação da CPI, mas que já não há o que fazer para evitar a criação do colegiado. "É evidente que uma CPI em ano em eleitoral mais atrapalha do que facilita a vida do Brasil, mas não há mais o que fazer", afirmou.

O requerimento de criação da CPI foi entregue na manhã desta quinta-feira por parlamentares de oposição. O pedido tem 28 assinaturas – uma a mais do que o número mínimo exigido pelo regimento. Os senadores podem retirar as assinaturas até a meia-noite do dia em que o requerimento for lido. Por isso, o discurso hesitante de Renan pode favorecer o governo.

Também há a possibilidade de instalação de uma Comissão Mista Parlamentar de Inquérito (CPI), reunindo deputados e senadores, já que o número de assinaturas pró-CPI na Câmara já ultrapassou o mínimo necessário – 171.

O foco da CPI deve ser a compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, que provocou perdas de 1,18 bilhão de dólares à Petrobras. A denúncia de que funcionários da companhia receberam propina para favorecer a empresa holandesa SMB Offshore também é citada no requerimento de criação da CPI.

Fonte: www.veja.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário