segunda-feira, 19 de maio de 2014

Em coma, Miguel Josino não responde a estímulos externos

Procurador-geral do Estado, Miguel Josino, segue internado no Hospital do Coração
Miguel Josino permanece em coma
A situação do procurador-geral do Estado, Miguel Josino, permanece inalterada desde a noite de ontem (18). Na manhã de hoje (19), o jurista foi submetido a novos exames clínicos. Ainda não houve a divulgação de boletim médico pelo Hospital do Coração, mas familiares confirmaram que o quadro permanece inalterado e Miguel Josino não responde a estímulos externos. O procurador será submetido a exame mais detalhado por volta do meio-dia de hoje.

Procurador-geral do Estado, Miguel Josino, segue internado no Hospital do CoraçãoProcurador-geral do Estado, Miguel Josino, segue internado no Hospital do Coração

Miguel Josino está hospitalizado desde o fim da tarde de ontem, quando caiu de seu apartamento, que fica no primeiro andar, para o salão de festas do prédio em que mora, no bairro de Candelária, zona Sul de Natal. No momento da queda de uma altura de aproximadamente três metros, Josino bateu a cabeça e foi levado inconsciente pelo Samu até o hospital.

saiba mais
Miguel Josino passará por novos exames médicos nesta segunda-feira
Governadora pede orações para Miguel Josino
Hospital afirma que estado de saúde de Miguel Josino é muito grave
Ao chegar à unidade médica, os médicos realizaram exames clínicos e Josino foi internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Os exames demonstraram que Josino não apresentava resposta motora a estímulos externos. Com isso, ele permanece em coma profundo, respirando através de aparelhos e com condições hemodinâmicas instáveis.

Ainda não há a confirmação sobre qual será o exame realizado por Josino até o início da tarde de hoje, mas a tendência é que seja avaliada a atividade cerebral através de um eletroencefalograma, que observa a atividade elétrica cerebral, ou um ultrassom doppler de carótida, que indica se há fluxo sanguíneo no cérebro.

Exames

O caso de Miguel Josino é grave, mas ainda não é possível constatar se o procurador-geral do Estado teve morte cerebral. Para o diagnóstico sobre a situação, é preciso que uma série de procedimentos sejam realizados. A norma é padrão para todo o Brasil.

Para a observação se um paciente ainda tem atividade cerebral, pelo menos três exames precisam ser realizados. Somente após os três é possível constatar se há ou não a morte cerebral de um paciente, que é um estado irreversível.

Sem comentar casos específicos, o neurocirurgião Cleiton Vieira, do Instituto de Neurocirurgia Potiguar (INP), explicou que o protocolo para que seja dado um diagnóstico de morte cerebral é rígido e não deixa brechas para erros.

No primeiro momento, o médico realiza o exame clínico para saber se o paciente responde a estímulos externos, apurando se há as chamadas respostas de tronco e motoras. Caso não haja resposta do corpo do paciente, é aberto um protocolo específico para que outro médico, no intervalo mínimo de seis horas, realize novo exame para apurar a situação.

Na nova avaliação, se o paciente continua sem responder a estímulos externos, é determinada a realização de exames detalhados para observar a atividade cerebral: o eletroencefalograma ou ultrassom doppler de carótida, que avaliam se há atividade elétrica cerebral e fluxo sanguíneo no cérebro, respectivamente. Somente um dos exames já é suficiente para o diagnóstico.

"Não há diagnóstico de morte cerebral sem a certeza absoluta, até porque é uma situação irreversível e em que todos os médicos têm a cautela para que se passe a informação às famílias", explicou Cleiton Vieira.

Fonte: www.tribunadonorte.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário